ONG Parceira do PortoWeb

Musa FUI PRESO

Musa da FUI PRESO
                    

Quem é Maria Ribeiro da Silva Tavares

Nascida em Pelotas, assistente social, falecida aos 104 anos, foi considerada referência em ressocialização e reintegração social dos apenados no Brasil.

Na década de 1940, Maria Ribeiro da Silva Tavares foi voluntária no Presídio Central de Porto Alegre. Aos 24 anos, após perder o marido, a assistente social convenceu a diretoria da instituição a dar abrigo a 36 presos. Esta iniciativa se consolidou quando Vó Maria entregou seu casarão para que fosse transformado no Patronato Lima Drummond. 

 A unidade prisional em que ela geriu por muitos anos não tem grades e nem grandes muros. A maioria dos presos que por lá passam, não reincidem no crime, contam pessoas ligadas à dona Maria. São apenados do semiaberto e aberto que mantém ocupação no mercado de trabalho, e possui o menor índice de fugas no RS.

O neto Carlos Eduardo Schönerwald destacou os desafios enfrentados pela Fundação ao longo dos anos, porém enalteceu a responsabilidade de todos os envolvidos para que o  Lima Drummond siga funcionando a partir dos preceitos de “humanismo e determinação para tratamento penal como idealizou minha minha avó”, disse. 

”Maria Ribeiro da Silva Tavares é a idealizadora da Fundação Patronato Lima Drummond. E lá viveu e morou  praticamente toda a sua vida, distribuindo carinho, amor e compreensão à todos que a procuravam.

A todos, Vó Maria chamava de “anjos”, pois via em cada ser humano a sua alma, seu interior, a bondade que era capaz de transformar em seres recondicionados, porque deixavam de ser “anjos caídos” e transformavam-se, a seus olhos, “anjos de luz”.

"A única brasileira que dedicou a vida aos presos e aos direitos humanos e que nem os mais radicais conseguem criticar", palavras do Dr. Sidinei Brzuska

  

 


Aniversário de 102 anos de Maria Ribeiro da Silva Tavares




Homenagem da AJURIS à nossa Musa Vó Maria Tavares

Publicado em 2 de dez de 2013 – YOUTUBE

Maria Tavares, a assistente social que, em 1948, escreveu o livro Estudos e Sugestões sobre o Reajustamento de Delinquentes foi recebida nesta quinta-feira (4/4/2013) na Escola Superior da Magistratura da AJURIS. 

Aos 101 anos, ela presenciou o reconhecimento de sua trajetória, que foi dedicada a ressocialização de apenados. Aplaudida de pé, Maria Tavares, que chegou a questionar porque estariam fazendo tudo aquilo, se emocionou ao receber flores. Ao lado dela estava a sua família, que inclui também os "anjos", assim chamados por ela, que abriga no Patronato Lima Drummond

Ao abrir o Seminário Maria Tavares: uma mulher adiante do seu tempo, o presidente da AJURIS, Pio Giovani Dresch, destacou o empenho e os esforços de Dona Maria.

 "Esta homenagem talvez não seja só uma homenagem à Dona Maria, que deve ser lembrada por seu trabalho e sua dedicação, mas seria muito bom que representasse um marco para que, a partir de agora, passássemos a nos esforçar de modo mais organizado e com empenho maior na busca da ressocialização dos presos." Pio Dresch também destacou a importância do magistrado Sidinei Brzuzka, que apresentou à AJURIS a ideia de relançar o livro, uma proposta do neto de Dona Maria, Carlos Eduardo Schönerwald.

 A reedição, distribuída gratuitamente, foi publicada por iniciativa da AJURIS com o patrocínio da Sicredi. O filho de Maria Tavares, Carlos Eduardo Aguirre da Silva, lembrou que, ainda jovem, acompanhou a luta da mãe no tempo do "Cadeião do Gasômetro" e as manifestações pela demolição daquele local, seguidas pela esperança de mudar para o Presídio Central. 

"Agora, passados 60 anos, a proposta do Governo é de implodir o Central. Passados 60 anos, o Estado não evoluiu. Nós todos como sociedade temos aqui um trabalho hercúleo, porque ninguém tem apoio para construir um presídio."

Silva destacou que Maria Tavares só conseguiu colocar em prática o que escreveu na sua monografia de conclusão do Curso de Serviço Social da PUC, em 1948, porque sempre teve foco e determinação. "A vida dela é o preso. É acreditar no preso. É dar vida ao que ela escreveu no livro. E o que ela escreveu, ela fez. E a materialização disso é a Fundação Patronato Lima Drummond." 

Acolhido há três anos por Dona Maria e pelo Patronato, o ex-interno Otávio Marcio Goulart da Silva fez questão de dar um depoimento para relatar que, mesmo aos 101 anos, ela continua lúcida e capaz de dar conselhos e ensinamentos valiosos. "Só tenho a agradecer pelo tratamento e pelo respeito."
 
A trajetória de Maria Tavares também foi destacada na palestra “Do passado ao presente: a (in)eficácia da pena privativa de liberdade”, proferida pela assistente social Maria Palma Wolff, pós-doutora em Direitos Humanos pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP). 

E em “Uma mulher à frente do seu tempo”, palestra do desembargador do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), Paulo Rangel. Maria Palma pontuou a importância do trabalho de Maria Tavares, que começou antes mesmo da Declaração Universal dos Direitos Humanos ser proferida e quando a Organização das Nações Unidas (ONU) nem havia sido criada. "Ainda hoje não conseguimos transformar esse conhecimento em propostas de intervenção para discutir a situação dos presídios", disse.

Paulo Rangel fez questão de se referir à Maria Tavares como doutora. "Doutora, sim, por ser, há mais de 50 anos a, maior conhecedora de ressocialização de presos do País." O desembargador ainda fez um apelo para que o livro não fique restrito ao Rio Grande do Sul. Ele afirmou que irá propor, no RJ, que se discuta a execução penal à luz do estudo de Maria Tavares. 

Conferir com o vídeo do YouTube: 
Maria Tavares –uma mulher à frente do seu tempo – prof Rangel
Departamento de Comunicação Imprensa/AJURIS




A+-     A  ?
» Contatos

Porto Alegre - RS
 

(51) 98406-5213 

 Fale Conosco

 
Desenvolvimento PROCEMPA